quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

E uma bruxa, não se arranja?

Meus amigos, esta que vos escreve está aqui que mal pode mexer-se, e cheia de dores.

A culpa é minha e só minha. Tinha chegado tarde (para variar) do Colosso, passava das nove. Uma meia hora depois sentei-me ao computador e descobri que tinha deixado os cigarros no gabinete. Ida lá abaixo ao café, claro.

A luz da escada estava acesa, apagou-se  quando ia talvez no quarto degrau. O que qualquer pessoa normal teria feito seria voltar a subir e acender a luz. Esta besta que sou eu, que conhece a escada como a palma das suas mãos, achou que descia às escuras e acendia a luz no patamar abaixo. Fácil. Um lanço de cinco degraus, seguido de um de sete e depois outro de cinco. O que aconteceu foi que, não sei como, falhei o sétimo degrau do último lanço e fui a rebolar aterrar no patamar do primeiro andar. Bati com toda a força com as costas, o ombro esquerdo e ao de leve com a cabeça. O pior foi quando, estendida na escuridão, a tentar recuperar, descobri que tinha dificuldade em respirar., arquejava.  Ali fiquei uns dois ou três minutos. Depois arrisquei mexer-me, muito devagarinho. Cheia de dores, é certo, mas tudo funcionava, fui tentando por partes, sendo que as costas eram a maior preocupação.

Agora, dorida por todos os lados, retiro-me e vou para a cama. Pelo sim pelo não, amanhã levanto-me uma hora mais cedo. Cheira-me que vou estar ainda mais dorida, e que levarei muito tempo a arranjar-me.

10 comentários:

  1. Olá Teresa! É daquelas coisas que de vez em quando, enfim, lá calha... O resultado não é muito agradável. No need to call for a witch!!!!!
    As melhoras, mas há que ter paciência porque essas dores demoram a passar!

    ResponderEliminar
  2. Que azar, mesmo!
    Mas - ;-) - apesar de tudo foi sorte: imagina que era verão, e ias para a praia com o corpo cheio de nódoas negras?
    Beijinho, e as melhoras!

    ResponderEliminar
  3. Puxa, que dor! E fazer uma radiografia? Nunca fiando, que as costelas são ossinhos muito frágeis.
    As melhoras!

    ResponderEliminar
  4. Aiaiai... As melhoras, Teresa!
    (também acho que deves estar atenta aos sinais, embora o tempo deva resolver tudo)

    ResponderEliminar
  5. A culpa é dos cigarros.... ai! Espero que melhores e que hoje não custe tanto a levantar, bjs

    ResponderEliminar
  6. As melhoras, Teresa. Estes acidentes são mesmo estúpidos e ainda ficamos mais doentes só por isso mesmo... :)
    (esperamos que as pequenas estejam boas!)

    ResponderEliminar