terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Fidèle comme une ombre


Messy partiu esta noite.
Agora preciso de tempo.

39 comentários:

  1. os meus sentimentos... todo o tempo, meu caro... todo o tempo

    ResponderEliminar
  2. Um abraço forte de muita coragem.

    E um beijo grande com ternura.

    ResponderEliminar
  3. São momentos dificeis que tem de se enfrentar com coragem. De certeza que os nossos bichinhos foram para o CÉU, ficam sempre no nosso coração.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Queridos Amigos,
    Ainda estou atordoada, tão grande é esta dor. Daí ter escolhido esta peça de Tchaikovsky, uma daquelas que infalivelmente conseguem fazer-me sempre chorar, principalmente nos momentos de dor tão grande que nem chorar se consegue.
    Messy ouviu-a muitas vezes comigo nestes 14 anos, sempre devotada, colada a mim. Messy percebe a minha escolha, tenho a certeza.
    Obrigada a todos. Eu sei que não há palavras.
    E agora... desculpem, vou enfiar-me na cama com Agri. Agri nunca soube o que era estar sozinha, desde que se conhece teve sempre a presença carinhosa e protectora de Messy. Esta é a nossa primeira noite sem a presença física dela em casa. Saudade do peso de messy na minha anca, seu poiso favorito para dormir.

    Obrigada a todos:

    Nocas Verde, Alf, Angelblue, Madalena, M&M, Anamoris, aka Pink, Van Dog, David e querido Melões. Não sei dizer mais. Queria, imposível dos impossíveis, voltar ao dia de ontem e tê-a aqui comigo, connosco. Viva.

    ResponderEliminar
  5. Querida Teresa,

    words are not enough...um grande beijo e um abraço muito apertado.

    ResponderEliminar
  6. Ejtimada Menina Dona Tereja:

    Poij que lhe hei de (axim, à moderna...) dijer xe não que a quero ber recuperada o maij deprexa poxíbel???

    Xempre aprendemoj - e a Menina Tereja, xendo bajtante maij noba do que eu (como eu xou querido, num xou?) ainda aprendeu pela mejma cartilha - a lidar mal com a morte, o dejapareximento ou a aujênxia doj que noj xão queridoj, xem perxebermoj, muitaj bejej, que ejtamoj a xer tremendamente egoijtaj!

    Xei que é fáxil falar raxionalmente xobre o axunto quando xão aj emoxõej que ejtão prejentej e a liderar todo o proxexo de luto maj xe a Menina Tereja me permite um conxelho, deixe a xua querida Mexy partir de bej, liberte-a e liberte-xe. Xentirá a alma maij lebe e libre e berá que a Mexy acabará por lhe ficar agradexida. Entrará, então, no ejtádio que eu cojtumo chamar de xaudade boa, a memória que rejta quando xe dejcontam oj momentoj mauj ou que é indiferente recordar.

    Embarque, Menina Tereja, nejte proxexo de catarxe, dedique-xe à Agri e imole a Mexy na ara daj boaj e indelébeij recordaxõej. Entretanto, reaja. Ejtamoj todoj aqui, de braxoj abertoj, à xua ejpera e também merexemoj a xua companhia!

    Dejcanxe bem ejta noite e amanhã acorde xeia de forxa. Bá lá!

    Cumprimentoj xentidoj e rejpeitojoj do
    Xívico Anacleto, o boxo guarda predilecto!

    ResponderEliminar
  7. Olha Teresa, não sei mesmo o que dizer. Só queria que soubesses que se houver alguma coisa (seja lá o que for) que esteja ao meu alcance e que te possa ajudar a passar por isto com um bocadinho menos de dor, estarei disponível 24 horas. Se precisares de ir algum lado, se for preciso tratar de alguma coisa, chama-me...

    Já passei por isso há 15 anos e é uma dor pela qual ninguém deve passar sozinho.

    beijos querida.

    ResponderEliminar
  8. Teresa,

    sinto a sua dor como minha, não duvide.

    faz hoje, dia 28, seis meses que o Bahari partiu e quantas vezes não dava tudo para ter a sua presença junto de mim e do Ikbal.

    quando eles partem morremos um pouco.

    um abraço para as duas.

    Kuska

    ResponderEliminar
  9. :(
    Bem sei como é dificil... os nossos bichanos fazem parte da familia!
    Força e coragem para minimizar a dor

    Beijocas***

    ResponderEliminar
  10. Oh que gaita, que merda...

    estou por aqui se precisares.

    beijo gordo

    ResponderEliminar
  11. Querida Teresa,
    Gostava de poder dizer alguma coisa que nestes momentos fizesse sentido, mas sei pela minha própria experiência quando o meu querido Bahari partiu que não existem palavras, nada é capaz de preencher o vazio que fica, em cada momento, em cada lugar, existe um mar imenso de recordações de uma vida que sabemos jamais esquecer. Por tudo isto digo apenas que temos mais uma bonita estrela no céu.

    ResponderEliminar
  12. Como te entendo.
    Dar tudo para correr o mundo, o tempo ao contrário e voltar à véspera.
    Desengelhar o que se amachuca tanto cá dentro.

    Foi assim com a minha Cuca, com o meu Miau.
    Temo que por estes dias me volte a enrolar, a dobrar e a esconder-me das lágrimas. A minha gata Nina está quase com 21 anos, velhinha e linda.

    Um abraço sem mais palavras.

    ResponderEliminar
  13. um beijinho muito sentido, de quem ainda não passou pelo mesmo e por isso não sabe o que é, mas mesmo assim consegue imaginar o vazio que fica quando nós ficamos e eles vão...

    ResponderEliminar
  14. Perdi a minha princesa há quase duas semanas. As saudades são mais que muitas e ainda hoje parece que a oiço a comer e a andar por casa. Sei bem a dor que está a sentir e sinto muito.

    ResponderEliminar
  15. Vi a notícia no blog do Van Dog...
    A perda de um amigo é sempre dificil... Mesmo que seja um amigo de 4 pataas... por vezes são eles mesmo os nossos verdadeiros amigos, porque estão sempre dispostos a dar e receber o nosso carinho...

    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Soube pelo Van Dog. Conheço essa dor. Um abraço, Teresa.

    ResponderEliminar
  17. Teresa,

    Já passei por esse desgosto e sei que é muito duro. É mesmo preciso tento para nos recompor-nos um pouquinho.

    Um grande abraço de solidariedade.

    P.S. Também aqui vim ter pela "pata" do Van Dog.

    ResponderEliminar
  18. Nao consigo acreditar, nao sabia que ela nao estava bem, mas sonhei com ela ha dias... sera possivel? Uma companheira de vida. Os meus pesames... porque sim, sei que e' mais que familia. Um abraco.

    ResponderEliminar
  19. A todos-TODOS o meu sensibilizado muito obrigada. Lá da Rainbow Bridge onde voltaremos a estar juntas, sei que Messy abana aprovadoramente a cabecinha sedosa e agradece também.

    Entre os comentadores tão carinhosos há pessoas (demasiadas, infelizmente) que passaram recentemente por isto, percebem na pele e isto é um reavivar de feridas ainda não cicatrizadas. Mas todos-TODOS os que têm bichos que adoram vivem no terror deste dia. Para eles fica um beijo muito especial.

    Agradeço os telefonemas, SMS e mails tão carinhosos que recebi e a que ainda não respondi. Agradeço aos que não conhecia e que vieram aqui pela patinha do Van Dog deixar uma palavra de solidariedade. Fiquei rendida de ternura a imaginar a linda Nina de 21 aninhos da Gasolina (o que eu não daria para poder ter Messy comigo mais sete anos!).

    Agradeço à querida M&M, com quem tenho uma empatia parecida com a que tive desde o princípio com as Cangalheiras do Apocalipse e com as Cell Blog Chicks, a disponibilidade total. Não eram meras palavras, senti quanto a oferta era espontânea e franca, sei que foi ela quem avisou a Safira, por exemplo.

    Agradeço ao querido Cívico Anacleto (nosso guarda predilecto) as palavras e o post no seu blóguio. Não sei quem é, sei apenas que é alguém do meu grupo do Liceu...

    Agradeço ao Van Dog o post que aqui trouxe tanta gente, o mail...

    Um dia destes, voltarei a escrever, sim. E contarei coisas de Messy, coisas tontas e doces que, mesmo no meio da tristeza, me fazem esboçar um sorriso.

    Dói-me a ausência do peso dela na minha anca quando me deito. Agri, que costumava dormir aos pés da cama, vem agora instalar-se juto do meu peito, colada a mim. Fico a fazer-lhe festas e a dizer-lhe coisas só nossas, para a acalmar. Mas ela nunca ronrona, também está a lidar com a perda.

    Angustiam-me os longos dias de trabalho, quero largar tudo e vir para casa o mais depressa possível, para estar com ela, para ela não estar sozinha.

    E acho que o melhor é transformar mesmo esta resposta às vossas menagens num post...

    Copiar e colar, é simples.

    Obrigada a todos, do fundo do coração. O vosso carinho foi-me infinitamente doce.

    ResponderEliminar
  20. Ai Tejita, isto tem sido o ano dos nossos bichinhos nos deixarem, caraças... como sabes, passei pelo mesmo ainda não há um mês e dou-te um conselho (farás dele o que entenderes): arranja outro gato. Ajuda-te a ti (são tão giros os gatinhos bebés com os disparates que fazem) e é uma companhia para a Agripina que não está habituada a estar sozinha. Vá, beijos. Isso passa :-)

    ResponderEliminar
  21. Ói Teresa

    Não tenho vindo ultimamente à Gota, mas recebi o teu mail e fiquei perfeitamente desolado.

    Fui acompanhando ao longo dos anos a tua luta pela vida dela, e comovendo-me com todo o amor que lhe deste.

    Fizeste o possível e o impossível, fizeste tudo o que estava oa teu alcance, e para lá disso.

    Não sei o que dizer mais. Apenas repetir que estou desolado.

    Beijinhos

    JL

    ResponderEliminar
  22. A todos, mais uma vez, o meu MUITO OBRIGADA.

    Ao Dicas (JL),
    Então por que é que me sobra esta sensação de culpa? Eu tinha de ter podido faze MAIS! Se eu tivesse chegado mais cedo, se... se...

    Outra vez, mais uma vez, aquele terrível poema de Álvaro de Campos na minha vida, a aterradora sucessão de "ses".

    Queria que alguém me levasse e volta a segunda-feira, a uma hora que não sei, mas que talvez ainda fosse a tempo. Eu não estava cá!!!
    E não consigo lidar com essa ideia.

    ResponderEliminar
  23. Tens de conseguir, hás-de conseguir e vais conseguir.

    Não te podes esquecer que lhe deste cinco anos de vida, lembro-me muito bem do que fizeste em 2003, das nossas conversas intermináveis no msn em que o principal assunto era invariavelmente ela, como te preocupavas, como ficavas feliz quando ela reagia, a dificuldade de lhe dares os medicamentos, tudo isso temperado com a descrição da colossal fortuna da Messy.

    E de tal modo comunicavas o que sentias que eu, que não sou particularmente adepto de gatos, me preocupava com a saúde dela e "torcia" por ela e ficava feliz quando acontecia uma pequena vitória.

    Teresa, não há ses, nós é que os inventamos, a vida por corre linearmente somos nós que complicamos, com o que poderia ou não ter acontecido. Chegaste quando chegaste assim como chegaste quando chegaste todos os outros dias da vida dela, de todos aqueles que lhe deste.

    A Messy foi uma gata feliz, e isso é muito importante na vida de quem quer que seja, mesmo que quem quer que seja, seja "apenas" um gato.

    O Idefix nunca simpatizou muito com gatos, mas acho que para lá das portas do Arco-Íris, abriu uma excepção para a Messy.

    Pela ordem natural das coisas, eu chegarei lá primeiro que tu e dou-lhe notícias tuas. Valeu?

    Beijinho

    Dicas/JL

    Tu deste-lhe cinco anos de vida, e isso é tudo

    ResponderEliminar