sábado, 25 de outubro de 2008

Cenas de filmes da minha vida #19: The Thomas Crown Affair

Para mim é, provavelmente, a cena mais sensual da história do cinema. A cena do jogo de xadrez...

The Thomas Crown Affair, de 1968, recebeu em Portugal o título pateta de O Grande Mestre do Crime. Os brasileiros, não querendo ficar-nos atrás, parece que lhe chamaram Crown, o Magnífico. Os espanhóis, surpreendentemente, ficaram-se por um sóbrio El Caso de Thomas Crown, que não os envergonha.

Nunca quis ver o remake do filme, mesmo sendo com Pierce Brosnan, aquele regalo para os meus olhos (já contei que um dia me cruzei com ele na Bond Street, em Londres?), tão forte é a lembrança de Steve McQueen e de Faye Dunnaway no original. Ele morreu com apenas cinquenta anos, tinha eu vinte. Ela parece lidar mal com o envelhecimento e fez umas atrocidades à cara que a transformaram numa coisa grotesca.

E há a música. The Windmills of Your Mind, cantada por Noel Harrison e vencedora de um Oscar. Curiosamente, no ano anterior o Oscar para a melhor canção tinha ido para o Grande Sir Rex Harrison, seu pai. A versão de Dusty Springfield é soberba, mas optei por pôr aqui o original.

Um dia, há muitos anos (princípio de 1981, se não me falha a memória), estando com um grupo de amigos no Snob, discutia animadamente música com o Pedro B. Veio esta canção à memória. Nenhum de nós se lembrava do título, de quem a cantava ou de como era. Estávamos exasperados, a melodia teimava em fugir-nos. E nisto, da mesa do lado, uma menina, que devia estar farta dos chatos com quem estava e se tinha posto a ouvir a nossa conversa (tanto o Pedro B. como eu falamos muito baixo, a pequena estava toda esticada), começou a cantarolar, coradíssima, The Windmills of Your Mind. Só não lhe demos um abraço porque não calhou, tão gratos lhe ficámos. Era aquilo mesmo! E ela acabou a noite na nossa mesa, a discutir música connosco. E trouxe valiosas achegas.

A magistral cena do jogo de xadrez. Se isto não é sensual, alguém que me explique melhor o significado da palavra.


E uma bela homenagem ao filme. Ao som de The Windmills of Your Mind, claro.

5 comentários:

  1. sensualíssimo e em dose dupla... aliás o que foi que aprontaste na hora de adicionar os links... :o) Adorei tb a história da moça no restaurante, sou bem do tipo... hehe, que lembra o nome e o sugere timidamente ;o) beijos

    ResponderEliminar
  2. Apanhada!!!! Já corrigi!

    Estás online? Liga-me pelo Google Talk, já tenho microfone a funcionar!!! :)

    ResponderEliminar
  3. Fantastico
    e assim entra-se sem pedir licença
    em intimidades
    .
    .
    .
    bjo
    e obrigada pela sugestão

    ResponderEliminar
  4. Very hot indeed.
    Magnífica cena, tens razão.

    beijo

    ResponderEliminar
  5. SMA,
    O filme vale a pena (ainda não o tenho). Obrigada pela visita! :)
    Beijo.

    Ana,
    É uma grande cena, não é?
    Talvez seja a maior responsável por eu não ter querido ver a nova versão.
    Beijo.

    P.S. Passei uma hora a rir no Youtube com o GGM... O que me faz agora lembrar uma música. Vais rir como uma perdida...

    ResponderEliminar