quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Elvis Presley - 30 anos

Faz hoje 30 anos que morreu, com apenas 42. Uma morte prematura, que chocou o mundo e legiões de fãs. Mais uma vida de excessos de todos os géneros com um fim trágico.

Tal como os dos Beatles, os fãs de Elvis Presley são de uma lealdade inacreditável. Hoje, por exemplo, há vigília em Graceland, a sua mansão em Memphis, Tennessee. E há ainda muito boa gente (sobretudo americana) que acredita firmemente que Elvis está vivo!

Dele, gosto sobretudo das baladas. Willie Nelson que me perdoe, mas ninguém canta o seu Always on My Mind como o Rei.

Mais do que de qualquer outra, gosto deste In the Ghetto que agora aqui fica, num vídeo de 1970. Sempre gostei, aliás.

Lembro-me de ter pespegado bocados da letra na prova de Cultura Geral nos exames de admissão à Universidade Católica, em Setembro de 1977, logo a seguir à morte de Elvis. O tema era A Criminalidade, achei apropriado. Quem viu as provas deve ter gostado da minha audácia, porque fui admitida - isto num ano em que havia mil e muitos candidatos para pouco mais de cem vagas.

Banda Sonora: Elvis Presley - Always on My Mind


15 comentários:

  1. Rock 'n' roll will never die!
    http://imigrante.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Apesar de não ser um cantor de eleição para mim não há dúvida que é o Rei. Tem umamúsica que adoro: "Love me tender". Eu sei que é lamechas mas...

    E os americanos saõ totalmente fanáticos: desdec rapto por aliens até que ele etá vivo por aí... só falta quererem cloná-lo!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. pode ser rei, mas não o meu... nunca gostei deste senhor... sempre teve um ar muito convencido...


    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Imigrante,
    Já cantava Neil Young no My-My, Hey-Hey...
    Obrigada pela visita.

    Thunderlady,
    Eu, como disse no post, gosto dele principalmente nas baladas. Não posso dizer que tenha uma paixão por aí além, há dezenas de nomes que para mim vêm muito antes dele.
    Mas não lhe posso negar a importância.
    Beijo gordo!

    Mariamú,
    Meu também não, como já percebeste. Mas achei que devia homenageá-lo mesmo assim.
    E concordo, tinha mesmo um ar convencido... :)
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  5. Sintonizado completamente com a tua opinião, acho que é no paradoxo que reside o fascínio em torno dum personagem já de si pouco coerente: o rei do rock era, no fundo, um Heartbreaker! IN THE GUETTO, ARE YOU LONESOME TONIGHT? e a simplicidade e pureza do LOVE ME TENDER são disso exemplos relevantes. É, aliás, o argumento do Jerry L. Lewis para se auto-proclamar o Rei do Rock'n roll. Última nota, a importância que, para mim, teve Dean Martin nessa faceta de sucesso do King.
    Boa, Teté! Bjt.

    ResponderEliminar
  6. Audácia e criatividade são o teu meio caminho; o outro meio foi a competência do avaliador! Dessa vez correu bem...

    ResponderEliminar
  7. Foi eu a vir e ele a ir... A colheita de 77 e' especial na musica. Foi um ano de grandes, muito grandes obras e tambem inesqueciveis tragedias como esta.

    ResponderEliminar
  8. Aqui há tempos tinha decidido que não comentava mais nada que envolvesse música... por não perceber nada do assunto como sabes, mas (sempre um "mas" a fazer-nos tropeçar nas nossas convicções), desta vez tem que ser.

    Ok, continuo a não perceber nada de música, reconheci os titulos de algumas músicas, trazidos pelos comentadores, gosto delas (das musicas), mas o que realmente me faz comentar é a paixonite que tive pelo senhor!

    Sim, confesso publicamente que, quando eu tinha uns 13 anos (altura em que comecei a ver televisão) houve na RTP1 um ciclo de filmes onde entrava o Elvis... apaixonei-me pelo senhor! hihihihi

    Acreditas que até pedi à minha mãe que me comprasse umas K7's?? e ouvia, ouvia, ouvia e ficava ali a sonhar...

    Ahhh se eu acredito nas várias teorias? (está vivo a viver não-sei-onde, foi abduzido) Não, não acredito.

    Dá concertos no Inferno, mas a mania das dietas vai matá-lo uma segunda vez!

    beijo d'enxofre

    ResponderEliminar
  9. olá!
    na história do rock and roll, Elvis foi único, fez uma perninha no cinema para nos oferecer canções e ainda ontem o vimos na televisão num desses filmes, simplesmente inesquecível.
    beijinhos
    paula e rui lima

    ResponderEliminar
  10. Sinceramente, o senhor nao me diz grande coisa. Tem melodias fabulosas (mas maioritariamente de outros autores)e uma voz unica, que eu, pessoalmente nao admiro.
    De qualquer forma ocupa um lugar na historia da musica que eu nao quero nem devo desrespeitar.
    Sinceramente, e ate me podem chamar frio, acho que o sucesso e mito ganhou a forma actual pela morte prematura. Poucos sao os que vivem uma vida sem grandes excessos ate a velhice e ganham tal estatuto, mas para mim estao bem a frente.
    Mas celebremos Elvis porque e dele que falamos e porque nao pode haver milhoes de pessoas enganadas.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. A propósito do comentário do imigrante: leiam o conto "uma banda do outro mundo" de stephen king, conto que se encontra no livro "sonhos e pesadelos" ;)

    ResponderEliminar
  12. Gosto de algumas músicas do Elvis, mas não sou fã. Os americanos são aqueles que acreditaram que estavam a ser invadidos pelos extra-terrestres, à conta de um folhetim radiofónico...

    Dei uma espreitadela no teu blog e gostei bastante!

    E concordo com a não aceitação de prémios bloguistas, mas em "recados" não me meto...

    Bom Domingo!

    ResponderEliminar
  13. q bela lembrança esta homenagem... realmente, esta musica é das melhores de sempre, adoro-a, esta e a Can't help falling in love...
    Acho que não há romance que não passe uns momentos pelo Elvis (pelo menos da minha altura...)

    Adoro tb a Devil in disguise... soberba!!

    ResponderEliminar